Feykhus

Ragna Tales: Feykhus
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A Morte das Cartas

Ir em baixo 
AutorMensagem
Breno3267
Novato
Novato


Masculino
Número de Mensagens : 2
Idade : 22
Data de inscrição : 14/12/2008

MensagemAssunto: A Morte das Cartas   Seg Dez 15, 2008 8:44 pm


A Morte das Cartas

A Praga em Prontera

Um lorde de cabelos negros e lisos, chamado Danew, levou consigo uma carta para o Rei Tristan III. Entrando no castelo, dois guardas não deixaram-no entrar e ele disse que era urgente, mas os guardas não o deixaram passar mesmo assim. Então ele mostrou a carta e os guardas se aterrorizaram e deixaram Danew passar. Chegando à sala de Tristan, ele viu três homens lá, um arquimasgo, um atirador de elite e um mestre. Ele se dirigiu a Tristan e entregou-lhe a carta. Tristan leu atentamente a carta e arregalou os olhos.

_Is... Isso é verdade? - perguntou, gaguejando, o rei

_Sim, majestade - respondeu Danew - Eu tive que enfrentar o homem e, infelizmente, fui forçado a matá-lo.

_Irios - disse Tristan, dirigindo-se ao arquimago - como podemos parar isso?

_Infelizmente, teremos de matar todos os infectados. Essa praga passa de uma pessoa para a outra. Por isso trouxe o atirador de eliite do meu grupo, Rayos, para cá. Preciso que ele me ajude a nos proteger na jornada pela cura.

_E ouvi boatos de que é preciso exorcitar as almas dos monstros, por isso trouxe meu primo Baudos. Ele ja usou os poderes da azura para exorcitar espíritos de sacerdotes e templários renegados.- disse Rayos, apontando o mestre - Precisaremos também de seu melhor criador para combinar certos materiais e formar uma erva como remédio para os recém-infectados, os casos A.

_E quais serão exatamente os ingredientes para esta erva? - perguntou Tristan.

_Um fruto, uma semente e uma folha de yggdrasil, ervas azuis, a pedra filosofal, orvalho de yggdrasil e outros ingredientes que ainda desconhecemos -respondeu Rayos.

_Meus dois irmãos estão aprendendo a falar a língua de Umbala - interrompeu Danew - Eles podem coletar o orvalho, a semente, a folha e o fruto de yggdrasil. É claro, com a vossa permissão, majestade.

_Certo - disse Tristan - Mande uma carta para Umbala com a autorização para eles.

_Será feito, majestade.

_Rayos, feche a cidade de Prontera, jogue todas as cartas nos arredores e procure por pessoas infecadas e as coleque em quarentena, se alguma sofrer o caso B, mate.

_Será feito, majestade.

Danew então saiu da sala e foi mandar a carta, mas, ao sair, um dos guardas estava ferido e ensaguentado no chão e o outro havia desaparecido. Ao sair do castelo, Danew foi atacado pelas costas por um lobisomem, mas não do tipo que as histórias contam, sim um homem que anda sobre quatro patas, suas mãos ficam cobertas com pêlos azuisque paravam de crescer gradualmente até os ombros, seu cabelo fica azul , seus caninos crescem e pêlos azuis começam a crescer por todo o corpo. Danew foi jogado no chão, mas seu elmo o protejeu do impacto, ele rolou para a direita e sacou a espada. O lobisomem encarou Danew e pulou, nesta hora Danew se abaixou e levantou a espada, cortando a barriga do monstro, mas ele não morreu, ele tomou impulso na parede do castelo e se lançou devolta para a luta, mas muito tarde. Danew já tomara sua postura de luta e estava pronto para o contra-ataque, ele usou um impacto de tyr para afastar o lobisomem e usou a lâmina de aura para sua espada ficar mais poderosa e finalmente acabou a luta com outro impacto tyr no momento em que o lobisomem atacou.

Depois do fim da luta, Rayos saiu do castelo e viu o cadáver do guarda e do lobisomem. Perguntou a Danew se estava bem e inssistiu para que fossse com ele à enfermaria, tomando coidado para não se contaminar com o sangue do lobisomem. O médico disse que ele estava bem e ele foi à kafra pedir para que ela mandasse a carta para Umbala.
Então, ambos retornaram para a sala de Tristan para dizer o que aconteceu. Tristan respondeu de que as Guerras do Emperium deveriam ser suspensas e que todo o equipamento encantado com cartas, de fabres a de bafomés, deveriam ser guardados numa zona especial, encantada com magia divina.

Baudos e Iros foram de casa em casa recolher os equipamentos encantados e cartas. Muitas das pessoas não tinha nada, entretanto vários mercadores se recusaram a deixarem levar suas cartas e tiveram que lutar em alguns casos, mas nada muito perigoso, apenas uma vez em que Irios teve de enfrentar um mestre-ferreiro chamado Kimios. Kimios começou conjurando a força violentissima e tentou acertar Iros, ele desviou por pouco do grande martelo e usou uma barreira de fogo para mante-lo afastado, mas ele tinha habilidades em resistir ao fogo e passou por ela, mas ele demorou tempo o bastante para que Iros conjurasse um Trovão de Júpter e o derrotasse.

Depois de pegar todas as cartas, fechar os portões da cidade e colocar os infectados em quarentena foram voltar e dar os relatos a Tristan. Iron reportou que 7 milhões de cartas foram encontradas e colocadas nos depósitos de A1 a C7. Baudos disse que 23 milhões equipamentos diferentes foram colocados nos depósitos de C8 a G6. Rayos alertou que muitas pessoas estavam infectadas, cerca de 8 mil. A situação de Prontera estava muito mal, mas uma boa notíccia chegou, um falcão trazendo os ingredientes da Yggdrasil deu um novo ânimo ao grupo. As demais cidades foram alertadas e começavam os preparativos, todas as viagens ao oriente foram suspensas e as viagens entre as três nações foram suspensas ao extremo necessário.

_Bom, - disse Tristan - não temos mais escolha. Precisaremos do remédio. Vocês irão me trazer a erva que vocês me contaram. Mas não irão sozinhos. Esta é Tani, a criadora que os ajudará. Vocês receberão suprimentos. Não falhem, o nosso futuro depende de vocês.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
A Morte das Cartas
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Morte na Marginal
» Andava a fugir à morte e nem sabia....
» morte no cabo da roca
» [Imagens] Thanatos Deus da Morte
» Cards Saint Seiya

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Feykhus :: Cantinho do Escritor-
Ir para: